Decore seu restaurante gastando pouco com 5 dicas

por | abr 23, 2021 | Dicas de Arquitetura

Engana-se quem pensa que os objetos de decoração são aquela última parte do projeto, feita antes do restaurante abrir, justamente porque pode parecer mais fácil adquirir grandes quadros, peças de arte, letreiros e em uma loja encontrar tudo e pronto, está decorado!

Não! Os objetos decorativos devem ser parte do processo de construção da marca em paralelo com o projeto de arquitetura do seu espaço, e com o entendimento do atual momento de conexão pelas redes sociais e pandemia. 

Veja algumas dicas para decorar o seu restaurante gastando pouco:

 

1. Uma boa decoração conta uma história 

Hoje em dia, e cada vez mais, as pessoas gostam da personalização, porque sentem que o espaço foi pensado para a sua experiência. A decoração do restaurante é um encontro mais pessoal com o cliente, que pode não conhecer a fundo a história do seu negócio, mas que ao chegar, consegue identificar por meio dos elementos decorativos, a atmosfera e a energia que o restaurante quer transmitir. É o que se chama de design afetivo, por meio dos ambientes se demonstram sensações, a junção de todos os elementos da arquitetura e da decoração do espaço pode provocar diferentes conexões afetivas com seus consumidores. Isso vai transformar aquele tempo de espera até a chegada da comida, na observação, no comentário e na integração com a história do restaurante.

 

2. Os objetos não precisam ser grandes ou pequenos demais

De longe, ao entrar no restaurante e ter uma visão do todo, as peças maiores chamam a atenção, atraem o olhar e, dependendo do projeto, pode ser uma boa estratégia decorativa. Contudo, ao sentar-se na mesa ou no balcão, são os médios e pequenos detalhes que continuam a atrair o olhar do cliente. A combinação dos diferentes tamanhos de objetos decorativos é sempre interessante, variando também seus formatos e texturas. A composição pode ser feita com poucos ou muitos objetos, por isso é sempre importante a opinião de um profissional e dos outros colaboradores que estão imersos no processo de criação de identidade visual do restaurante.

 

3. Decoração não se limita ao que pode ser preso na parede

É bem comum pensarmos em decoração e vir à nossa cabeça a ocupação das paredes do restaurante com quadros, esculturas, retratos ou prateleiras de suporte aos objetos, esses são bons pontos de partida, mas é possível pensar na ocupação dos tetos, uso dos móveis, louças, jogos americano e porta guardanapos como decoração. A identidade visual do restaurante pode ser atrelada a diferentes tipos de objetos tendo como ponto principal remeter-se à essência daquele comércio e melhorar a experiência do cliente.

 

4. Criação de lugares “instagramáveis” 

Atualmente, o compartilhamento de imagens nas redes sociais é uma grande possibilidade de divulgação do restaurante e, consequentemente, aquisição de novos clientes. As fotos tiradas devem sempre estar acompanhadas de um fundo que remete ao restaurante. Alguns exemplos são o logo nas decorações da mesa que aparecem nas fotos dos pratos, como nas louças e no jogo americano. Outro exemplo é uma parte da parede do restaurante dedicada a fotografia da pessoa no local, esse ponto pode ser identificado pela produção com elementos decorativos, como pinturas criativas, quadros, arcos e plantas que enquadram duas pessoas sentadas ou em pé, é recomendável que os objetos ajudem no posicionamento da foto na vertical, pois é o enquadramento mais comum quando compartilha-se o momento na internet.  

 

5. Manter o distanciamento social de forma criativa dentro do restaurante 

Alguns restaurantes resolveram abordar as regras de distanciamento social no momento de reabertura de maneira divertida, colocaram bonecos de pelúcia ou de plástico sentados nas cadeiras que não poderiam ser ocupadas pelas pessoas devido a proximidade. É comum muitos restaurantes adotarem as divisórias de plástico nas mesas, o uso dos bonecos não exclui esta medida, mas humanizam a regra ao fazer uma refeição acompanhado. A ideia é simples e pode estar conectada com a identidade visual como no Veríssimo Bar, em que as caricaturas fazem parte da história do restaurante. Os bichinhos de pelúcia são fofos e, além disso, podem quebrar a seriedade das regras e da fase conturbada que estamos passando com a pandemia.  

Julia Pipolo

Julia Pipolo

Arquiteta e Urbanista do NeoGourmet Arquitetura

0 comentários

× Fale com especialista no WhatsApp